fbpx

Você tem dúvidas sobre qual lubrificante comprar?

O diesel melhorou, mas as bactérias ficaram mais resistentes
O diesel melhorou, mas as bactérias ficaram mais resistentes
5 de novembro de 2019
Qual é o melhor momento para trocar ou completar o nível do líquido do radiador?
Qual é o melhor momento para trocar ou completar o nível do líquido do radiador?
27 de novembro de 2019
Saiba como escolher o óleo lubrificante correto

Saiba como escolher o óleo lubrificante correto

imagem meramente ilustrativa

A maneira mais fácil de escolher o óleo lubrificante para motor é observando duas das principais classificações encontradas no rótulo de um lubrificante e no manual do proprietário do veículo.

Entenda estas classificações: 

O que é a norma SAE?

A classificação SAE “Society of Automotive Engineers” (Sociedade dos Engenheiros Automotivos) determina a viscosidade do lubrificante, desconsiderando fatores de desempenho e serviço.

A classificação SAE é composta por um ou dois números separados pela letra “W” (do inglês “winter”, tradução = inverno). Isto significa que o óleo possui aditivos para abaixar o ponto de mínima fluidez, permitindo trabalhar em regiões de baixas temperaturas.

 

Grau de viscosidade SAE

A viscosidade é uma das propriedades mais importantes de um lubrificante. Ela define a capacidade do lubrificante de circular pelas peças, pois se for mais viscoso (grosso) será difícil sua circulação e se for menos viscoso (fino) passará pela peça muito rapidamente, não conseguindo garantir a lubrificação adequada. A escolha de um lubrificante “grosso ou fino” é feita pelo fabricante do veículo e informado no manual do proprietário. É importante informar ressaltar que o lubrificante sofre variações de viscosidade em função da temperatura.

O que é API?

Já a sigla API significa “American Petroleum Institute” (Instituto Americano de Petróleo), e especifica qual é o desempenho que um óleo precisa ter para atender determinadas classificações de serviços.

Ela é simbolizada pelas letras “S” (SPARK PLUG, “ignição por centelha”, ou SERVICE STATION, “postos de serviço” - para motores ciclo Otto que utiliza gasolina, etanol, flex ou GNV) e “C” (COMPRESSION, “compressão”, ou COMERCIAL, “veículos comerciais” - para motores ciclo diesel que utiliza diesel e biodiesel), acompanhadas pela sequência crescente das letras do alfabeto, ou seja, quanto maior for a segunda letra, melhor a tecnologia e maior qualidade do lubrificante. Por exemplo: API SN e CK-4 são superiores ao SM e CJ-4, respectivamente.

 

API SN Plus previne a pré-ignição em baixa velocidade

A mais nova classificação é o API SN Plus, que previne a pré-ignição em baixa velocidade. Foi desenvolvida também visando a proteção dos motores equipados com injeção direta de gasolina e com turbocompressor, os chamados GDI (Gasoline Direct Injection) e TGDI (Turbo Gasoline Direct Injection). Esta tecnologia é retrocompatível, ou seja, pode ser utilizada em substituição às especificações anteriores como API SL, SM e SN.

Um motor TGDI, com suas altas pressões no cilindro e baixa rotação, cria um ambiente onde a pré-ignição (LSPI – Low Speed Pré-Ignition) é mais provável de ocorrer antes da mistura de ar / combustível ser inflamada pela vela de ignição. Quando ocorre esse fenômeno, os proprietários de veículos podem perceber, desde o que pode parecer ser uma batida de motor tradicional (dano que geralmente se acumula ao longo do tempo) até uma falha súbita do motor – um evento de combustão catastrófico que destrói o motor (quebra de pistões e bielas). Não há nenhum aviso antes deste evento, por isso o uso do óleo adequado é necessário. 

 

Indicações para os motores TGDI

Embora um mecanismo TGDI promova uma potência robusta, com mais eficiência, este pode criar também condições potencialmente prejudiciais. Primeiro, há a questão de aumentar a diluição de fuligem e combustível devido a mudanças na injeção e na combustão. Esta nova forma de fuligem nos motores TGDI pode causar um aumento rápido da viscosidade do óleo, enquanto a mudança na injeção pode aumentar a diluição do combustível, acelerando o desgaste. Estas condições mais exigentes requerem lubrificantes de alto desempenho com melhores propriedades de limpeza e proteção antidesgaste, bem como melhor controle de oxidação.

Fabricantes de veículos buscaram a ajuda da indústria de lubrificantes para resolver esse desafio. E é aí que entra a especificação API SN Plus, que foi desenvolvida especificamente visando a proteção dos motores com tecnologias GDI e TGDI, onde o lubrificante atua como uma solução para o problema da pré-ignição de baixa velocidade (LSPI). Entretanto, os especialistas confirmam que esse nível de qualidade pode ser utilizado em qualquer tipo de motor do ciclo Otto, mesmo os que não possuem injeção direta.